26 de novembro de 2021

Agora Esportes

As principais notícias do esporte

Antony comandou a virada do Ajax no Signal Iduna Park, mas o Dortmund foi prejudicado pela expulsão exagerada de Hummels

O Borussia Dortmund não queria reviver a pancada sofrida na rodada anterior da Champions League, quando foi goleado pelo Ajax em Amsterdã. Os aurinegros apresentavam uma postura bastante distinta e eram melhores no início do duelo dentro do Signal Iduna Park. Entretanto, de novo os Ajacieden conquistaram a vitória, numa noite em que os alemães têm razão em reclamar da arbitragem. Ainda aos 29 minutos, um vermelho exagerado mandou Mats Hummels para o chuveiro, com a decisão confirmada mesmo depois da revisão do VAR. O BVB até abriu o placar e resistiu com a vantagem até a segunda etapa, mas a pressão do Ajax tornou a virada questão de tempo. Antony teve ótima atuação e os três gols do time nasceram a partir de seus passes, já na reta final. O triunfo por 3 a 1 classifica o Ajax por antecipação e acaba sendo duro demais ao Dortmund pela expulsão injusta.

A lista de desfalques do Dortmund inclui Erling Braut Haaland como grande perda. A equipe titular vinha com Jude Bellingham, Axel Witsel e Julian Brandt no meio-campo, além da trinca de ataque composta por Marco Reus, Steffen Tigges e Thorgan Hazard. Donyell Malen ficava no banco. O Ajax, por sua vez, repetia a formação dos 4 a 0 na Johan Cruyff Arena. Antony, Steven Berghuis e Dusan Tadic formavam a trinca de meias, com Sébastien Haller no comando do ataque.

O primeiro tempo seria disputado em alta intensidade, com os dois times tentando impor sua marcação alta. E o Borussia Dortmund, mais atento, começou melhor. Mats Hummels deu o primeiro aviso numa cabeçada após cobrança de falta, antes de Marco Reus ter seu chute bloqueado. Já aos oito minutos, após um escorregão de Lisandro Martínez, Thorgan Hazard partiu livre. Remko Pasveer até fez a defesa parcial, mas Hazard tentou novamente e o cruzamento chegou a Jude Bellingham, que errou a cabeçada com a meta aberta. O inglês, aliás, tinha muita importância no ritmo imprimido pelos aurinegros.

O Dortmund era bem melhor no combate defensivo do que na visita a Amsterdã e não dava muitas chances para o Ajax. Na primeira chegada de Sébastien Haller, o centroavante acabou travado, e a primeira grande defesa de Gregor Kobel, contra o próprio Haller, não valeu por impedimento. Pouco depois, Reus fez Pasveer trabalhar. E num momento em que o duelo estava mais equilibrado, aconteceu o lance capital, aos 29 minutos. Hummels deu um carrinho na intermediária e Antony estava no ar, sem ser atingido pelo zagueiro, embora tenha pisado em sua perna. O árbitro Michael Oliver mostrou o vermelho direto e, durante a revisão do VAR, esperava-se que mudasse para no máximo um amarelo. Contudo, o inglês manteve a decisão, contestada com muita razão.

Com um jogador a menos, o Dortmund recompôs a zaga com Marin Pongracic no lugar de Hazard. E a sorte ainda sorriu para os aurinegros, com um pênalti marcado aos 36 minutos. Bellingham foi tocado de leve e, perto do lance, Michael Oliver não marcou. Entretanto, o VAR aconselhou a revisão e o inglês mudou de ideia. Pasveer até acertou o canto da cobrança, mas Reus chutou no cantinho e botou o BVB na frente. Reus ainda deu outro susto pouco depois, mas bateu por cima do travessão.

Já os minutos finais do primeiro tempo guardaram uma grande pressão do Ajax. Os Godenzonen não tinham medo de arriscar e acumulavam finalizações, inclusive com Antony parando em Kobel. Numa disputa, Marius Wolf chegou até mesmo a desviar uma bola contra o próprio travessão. Steven Berghuis também perdeu um lance de frente com Kobel, em defesa do goleiro no chute rasteiro. A pausa do intervalo concedia um respiro ao Dortmund, mas os anfitriões já sabiam que a resiliência seria necessária na segunda etapa.

O Ajax ganhou mais qualidade no meio do campo para a segunda etapa, com Davy Klaassen no lugar de Edson Álvarez. E o desenho do jogo não surpreendia, com os Godenzonen pressionando no ataque. Entretanto, o Dortmund se defendia com muita solidez e até dava mais sustos nos contragolpes. Bellingham deu o primeiro aviso com um chute que passou perto do ângulo. Depois, Brandt errou o alvo ao tentar na área. Os aurinegros ainda desperdiçaram um contra-ataque de três contra dois, em passe errado de Witsel. Pouco depois, Marco Rose gastou mais uma alteração, com Wolf saindo contundido para a entrada de Felix Passlack.

A partir dos 15 minutos, a pressão do Ajax aumentou. Os Godenzonen acionava principalmente o lado direito, com Antony, mas a defesa do Dortmund sempre chegava a tempo de rifar os cruzamentos e evitar as finalizações. O risco, ainda assim, era mais do que claro. Erik ten Hag fez outra mudança aos 22, com Mohammed Kudus na vaga de Berghuis. Neste momento, os aurinegros esfriaram um pouco mais o duelo e ficaram um tempo maior no campo de ataque. O gol de empate, de qualquer forma, não tardaria.

O tento, aos 27, surgiu exatamente a partir de um cruzamento na direita com Antony. Pongracic não conseguiu fazer o corte e, depois do desvio, permitiu que Tadic passasse sozinho no segundo pau. O sérvio se esticou para completar e superou Kobel. Diante do risco da virada, o Dortmund renovou as energias de seu ataque, com Donyell Malen e Ansgar Knauff, nos lugares de Reus e Tigges. Malen já teria uma boa escapada logo de cara, mas seu chute foi defendido com segurança por Pasveer. O duelo parecia mais aberto, com os aurinegros buscando mais o ataque.

A virada, por fim, surgiu aos 38 minutos. E o roteiro do primeiro gol se repetiu: Antony fez um cruzamento de canhota pelo lado direito e nem o agarrão de Manuel Akanji parou Haller, que desviou de cabeça para as redes. Depois disso, o Dortmund não indicou muitas forças para reagir. A desvantagem numérica pesava sobre o cansaço da equipe e o Ajax administrava a sua vitória sem muitas dificuldades. Nos acréscimos, ainda coube o terceiro gol dos Ajacieden contra um rival entregue. Após a inversão, Antony dominou de maneira soberba e só rolou para Klaassen fechar a contagem.

O Ajax assegura a classificação com 12 pontos, disparado na liderança. Não pode mais ser alcançado, já que os dois únicos perseguidores jogam entre si. Já o Borussia Dortmund fica numa situação mais delicada. Com os mesmos seis pontos que o Sporting, os aurinegros decidirão seu destino no confronto direto da próxima rodada, em Lisboa. Pela vitória no primeiro encontro na Alemanha, um empate ajudaria o BVB a abrir o caminho para o último compromisso, quando pega o Besiktas em casa e os sportinguistas visitam o Ajax em Amsterdã.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *