Agora Esportes

As principais notícias do esporte

A febre das casas de apostas: O que elas trazem de bom ao futebol

O Brasil vive uma verdadeira febre das casas de apostas, a cada dia surgem mais e mais apostadores em solo brasilero. Elas estão em todas as partes, nos jogos de futebol, nas camisas dos times, na televisão, na internet.

Mas você sabia que o sucesso das casas fora do nosso país é antigo? Na Inglaterra, por exemplo, as apostas esportivas existem desde o século passado, com corridas de cavalos e outros eventos. Já os palpites online se popularizaram no início dos anos 2000, graças aos avanços tecnológicos que democratizaram o acesso aos computadores e à internet.

Em Portugal, a legalização das apostas esportivas em locais físicos ocorreu em 1961. Uma parte da receita das apostas era destinada aos clubes de futebol e a outra era destinada para o financiamento da recuperação de deficientes físicos.

Assim como os norte-americanos, os palpiteiros portugueses migraram para o ambiente web com o “boom” da internet. No início, as operações não eram legalizadas pelo governo local, isso só aconteceu em 2016. O Serviço de Regulação e Inspeção de Jogos (SRIJ), uma ramificação do Ministério do Turismo, é o órgão responsável por regular e inspecionar a atividade em Portugal.

O Brasil, por sua vez, tem um povo apaixonado pelas apostas. Essa paixão, repleta de idas e vindas, começou na década de 1930, em virtude dos cassinos aprovados pelo então presidente Getúlio Vargas. Posteriormente, em 1946, o presidente Eurico Gaspar Dutra proibiu a atividade.

As apostas voltaram à legalidade somente em 1961, com a criação da loteria federal. Depois disso, os fãs de esportes esperaram quase uma década para conseguirem apostar legalmente nos triunfos do seu time do coração. Afinal, a Loteria Esportiva foi criada apenas no ano de 1970.

Quase cinquenta anos após o surgimento da Loteca, as casas de apostas online invadiram o Brasil. Com isso, os apostadores testemunharam uma verdadeira revolução no jeito de fazer a fézinha.

Não é necessário se deslocar até lotéricas para depositar os palpites, basta estar online. Além disso, as casas permitem diversos tipos de apostas nas mais variadas modalidades esportivas, algo que não era possível antigamente. Sem esquecer que os lucros das vitórias chegam aos apostadores em poucos dias, sem sair de casa.

Esses atrativos, e vários outros, ganharam o público. A cada dia, mais e mais pessoas embarcam no mundo das apostas. E o setor não para de crescer. Segundo divulgado pelo portal Mktesportivo, o mercado de apostas movimentou R$ 7 bilhões em 2020, ano marcado pela pandemia.

A tendência é que as cifras aumentem ainda mais, Link estimativas apontam que a indústria possa atingir de R$ 20 bilhões a R$ 100 bilhões com a regulamentação. Porém, o Brasil ainda está na contramão de países como Estados Unidos, Portugal e Inglaterra, onde apostar é uma prática comum e regulamentada há anos.

Mesmo assim, apostar em território brasileiro é 100% legal. No ano de 2018, o presidente Michel Temer sancionou a Lei 13.756, dando sinal verde para as apostas de cota fixa. Vale destacar que a mesma lei obriga que o setor seja regulamentado em 2022.

A regularização proporciona segurança aos apostadores, pois as casas devem seguir regras para operar no Brasil. Uma vez regularizadas, as apostas ajudarão no desenvolvimento do país e, claro, do esporte brasileiro.

O imposto recolhido será destinado a várias áreas, como para os fundos Penitenciário Nacional, Nacional da Segurança Pública, Nacional da Cultura. O Ministério do Esporte e os comitês Olímpico Brasileiro (COB), Paralímpico Brasileiro (CPB) e Brasileiro de Clubes (CBC) também serão beneficiados.

Além disso, as casas de apostas, que ultrapassam 500 em funcionamento, são grandes adeptas da publicidade. De acordo com a Pesquisa “Brazilian Player: o mercado de apostas esportivas no Brasil”, 71% das pessoas lembram de terem visto anúncios de casas de apostas e 51% dos entrevistados afirmaram que começaram a apostar depois de ver propagandas.

Fica claro que a publicidade é algo fundamental. E as casas sabem muito bem disso. Só para ilustrar, no Campeonato Brasileiro Série A de 2022, 90% dos times participantes têm vínculo com empresas do ramo, a maioria está estampada no manto das equipes.

O dinheiro recebido pelos clubes pode ser investido de várias formas, e também pode ser utilizado para quitar dívidas e equilibrar as contas. Sem débitos e com os cofres cheios, a diretoria consegue investir na formação de atletas, em melhorias e modernização dos centros de treinamentos e até mesmo na contratação de atletas e profissionais para a comissão técnica.

Ou seja, realizar apostas esportivas contribui para a evolução dos clubes, dos campeonatos e, consequentemente, do futebol brasileiro. Mas as apostas devem ser feitas em uma casa segura, que tenha certificados de segurança, mecanismos contra invasores e licença de autoridades reguladoras.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *